Área de Conhecimento

Nesta secção há o compartilhamento de artigos, textos, opiniões e ideias sobre assuntos que envolvem a nossa sociedade como um todo de forma a permitir o desenvolvimento de uma opinião crítica principalmente sobre situações que envolvem o nosso dia a dia, não apenas como pessoas, em nossas relações mais próximas, bem como aquelas interações profissionais.

Uma Lição Aprendida: O melhor, ainda, está por vir.

Ao que parece e não há motivo algum para duvidar disso, o melhor para nossa vida ainda está por vir. Com certeza muitas vitórias já foram alcançadas ao longo dela, no entanto, o que ainda nos move, é a crença de que algo ainda maior está a nossa frente, e o mais legal ainda, a nossa espera, pronto para ser conquistado.

Muito mais que parecer ser uma linha de autoajuda, acreditar neste horizonte promissor é quase uma necessidade para que possamos nos retroalimentar. Cá entre nós, não costumo ser um cara muito otimista, aliás, tendo a ser sempre muito critico e assertivo com relação às muitas oportunidades e realidades onde costumo estar presente. Justamente por conta disso, possa afirmar que esta minha crença está fundamentada em fatos que têm permeado minha vida, bem como a de tantos outros amigos e conhecidos.

Os tropeços e erros, por ventura, cometidos, muitas vezes nos aborreceram e eventualmente nos fizeram acreditar sermos incapazes para alcançar nossos objetivos. Por mais que tenhamos aprendido algo como eles, pouco tempo depois, para muitos de nós, eles voltaram a se repetir e, quase que certamente, novamente, nos provocaram dissabores. Daí se conclui que, por mais que possamos aprender com os “desvios” que a vida nos confronta, não há qualquer garantia que eles não voltem a acontecer. Mas há algo que muda isso e diz respeito à forma como passamos a encara-los ao longo do tempo. A isso, chamamos experiência.

Alguém, por ventura, arrisca duvidar que um “fora” de seu primeiro amor não tenha sido muitíssimo mais doloroso que o do ultimo? (obviamente para aqueles que já levaram algum fora rs rs) Ou que a primeira vez que ficou sem trabalho, não tenha sido algo muito mais dramático que a mais recente? (por mais que na realidade de hoje possamos estar constituindo família e antes, ainda não?).

Inegável afirmar que o acúmulo de sentimentos, já experimentados, e conhecimentos, desenvolvidos, ao longo dos anos tendem a nos formar plenamente, como seres humanos junto aos diversos papéis que desempenhamos, sejam eles, os de amigo, pais, filho, cônjuge, colega de trabalho, etc.

Justamente por conta disso, é que certas verdades deveriam guiar nossas vidas, todo momento, e serem muito mais que um simples mantra. Uma delas presente em uma famosa música dos anos 1980, diz “desesperar jamais”. Mais que isso, a letra escrita por Ivan Lins, ainda afirma: “...no balanço de perdas e danos, já tivemos muitos desenganos, já tivemos muito que chorar...”. Pois é, esquece o autor, no entanto, quem sabe tenha sido por pura licença poética, que também já tivemos muitos acertos e já tivemos muito do que sorrir (agora noto, que talvez seja para fazer uma boa rima rs). Tudo isso, no entanto, se solidificou em nossa mente, como experiências vividas e tem igual valia.

Se após o primeiro fora, ficamos dias, meses ou até anos, ressabiados, ou até mesmo jamais tenhamos esquecido o nome da maléfica pessoa responsável por tal ato, tenho certeza que aquele levado no ano passado (apenas uma hipótese), embora possa ter sido igualmente dolorido, tenha mostrado sinais de cicatrização muito mais firmes. Certamente, também, costumamos lembrar como se fosse ontem, a primeira vez que nos vimos sem uma atividade profissional formal a nossa frente. Já quando isso aconteceu no meio do ano passado, por exemplo, talvez lembremos sem o mesmo peso.

O aprendizado nos leva a isso, apenas ele nos faz evoluir diariamente, seja de forma tácita ou formal e ter a convicção que o melhor ainda está por vir. Afinal, é o tal “bola para frente”.

Minha mãe, Maura, por exemplo, ainda vai aprender a fazer o baião de dois que minha vó Ruth fazia. E quando este dia chegar, te convidarei com certeza.